A Educação Corporativa e o impacto das Tecnologias Educacionais

Escrito por: Marina Piza

O cenário de constantes mudanças no mundo do trabalho e em diversos setores da economia tem se tornado fator de grande atenção para as organizações. Há algumas décadas é possível observar o movimento feito por diversas empresas para atender as demandas de treinamento e desenvolvimento de pessoas. No início, essas demandas foram sanadas através de escolas com cursos técnicos e profissionalizantes, porém, em meados dos anos 80, as empresas passam a ter um olhar ainda mais pontual para esses treinamentos, adaptando-os às necessidades técnicas, gerenciais e organizacionais.

Com o crescente desenvolvimento tecnológico e a primordialidade deste investimento no desenvolvimento humano, muitas empresas tem criado suas escolas e universidades corporativas como forma de garantir e adaptar a educação as suas próprias necessidades.

Diante desse panorama histórico, usa-se o termo “Educação Corporativa” desde a década de 1950, quando a General Eletric lançou a Crotonville, a lendária Universidade Corporativa da GE, um centro de treinamento instalado em Nova York para treinar os seus funcionários. No Brasil, o conceito de Educação Corporativa surge na década de 90, compreendido como uma iniciativa organizacional com o intuito de conectar as estratégias do negócio e traduzi-las em modelos de aprendizagem e educação para a organização. Essa metodologia deve formalizar modelos de treinamento contínuo, seguindo diferentes pilares de educação, para que atenda o momento do profissional, alinhado ao plano de desenvolvimento da organização. A professora Marisa Eboli em seu livro “Educação corporativa: fundamentos, evolução e implantação” consolidou os sete princípios da Educação Corporativa:

  • Competitividade: O diferencial das empresas está nas pessoas que a fazem;
  • Perpetuidade: A educação corporativa como processo de transmissão cultural;
  • Conectividade: O conhecimento é conduzido e compartilhado através das redes de relacionamento dentro e fora da empresa;
  • Disponibilidade: A aprendizagem se dá em qualquer lugar, a qualquer hora
  • Cidadania: Estímulo da cidadania individual e organizacional;
  • Parceria: A organização reconhece que sozinha não pode crescer, precisa do apoio dos fornecedores e parceiros;
  • Sustentabilidade: A universidade corporativa precisa também gerar resultados, sendo competitiva e sustentável.

Correlato a esse contexto, as metodologias de ensino vêm passando por grandes mudanças através do impulso tecnológico que, nas últimas décadas, tem impactado diretamente todo o cenário educacional.

Para atender essa nova demanda a tecnologia educacional surge como uma das formas de reinventar a educação. Uma das metodologias utilizadas atualmente é o E-learning, que pode ser definido como o método de ensino através das plataformas digitais. Outra metodologia que vem crescendo é a utilização do ensino hibrido, que consegue atender diversos perfis profissionais pois utiliza espaços de aprendizagem presenciais e virtuais. Alguns especialistas acreditam que o ensino hibrido é o futuro da educação, já que essas novas modalidades surgem como forma de atender novas necessidades, e torna o aprendizado mais flexível, além de facilitar e se adaptar as rotinas de trabalho.

Em diversas áreas profissionais a tecnologia, alinhada ao trabalho da Educação Corporativa, mostra-se, cada vez mais, uma eficiente ferramenta para personalizar essas linhas de aprendizado já que é possível manter a atenção as demandas especificas da empresa e alinhá-las ao profissional.

Este movimento da relação entre trabalho e educação vai se consolidando por meio dessas transformações, já que a Educação Corporativa cresce como forma de tornar a educação uma das bases de desenvolvimento dos negócios. Esse processo dentro das empresas contribui para melhorar a percepção de que o desenvolvimento continuo é um importante fator de engajamento, ascensão da qualidade dos processos e um caminho pessoal de crescimento e desenvolvimento.

Referências Bibliográficas

EBOLI, Marisa. Educação corporativa no Brasil. Mitos e verdades. São Paulo: Gente, 2004.

MEISTER, J. C. Educação Corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books, 1999.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Compartilhe

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR

34364 - banner - Artigo- impacto da qualidade da anestesia na reputacao do HO

O Impacto da Qualidade da Anestesia na Reputação do Hospital

Introdução No cenário complexo da gestão hospitalar, a qualidade da[...]
34536 - Artigo banner - papel do anestesista em transplantes-C

O papel do anestesista em transplantes: garantindo o melhor desfecho e a segurança dos pacientes

Autores: Dr. Rogério Barbosa e Dr. Thales Tedoldi Transplantes são[...]
34363 - Banner_Artigo_a importancia da educação continuada para anestesistas

Educação continuada em anestesia

Escrito por: Dr. Marcus Vinicius Figueiredo Lourenço A anestesiologia desempenha[...]
educacao-continuada-banner

A Educação Corporativa e o impacto das Tecnologias Educacionais

Escrito por: Marina Piza O cenário de constantes mudanças no[...]
Banner-Header-blog-Reuniao-Clinica-Desktop-V2

Reunião Clínica – 28/03

O cuidado especial recebeu o merecido reconhecimento Ocorreu no dia[...]
Banner-blog-programa-jovem-anestesista-V2

Programa Jovem Anestesista Takaoka avalia e seleciona novos talentos para integrar as equipes

O exclusivo Programa Jovem Anestesista Takaoka proporcionou o acompanhamento integral[...]